YouTube Twitter Facebook Sound

CUT MT > LISTAR NOTÍCIAS > DESTAQUES > NOTA DE APOIO ÀS FAMÍLIAS DO ACAMPAMENTO PADRE JOSÉ TEN CATE

NOTA DE APOIO ÀS FAMÍLIAS DO ACAMPAMENTO PADRE JOSÉ TEN CATE

02/07/2018

400 famílias, que vivem há mais de dois anos em uma área da prefeitura do município de Jaciara (144 km de Cuiabá), estão ameaçadas de despejo

Escrito por: CUT MT

A Direção da Central Única de Mato Grosso (CUT MT) manifesta sua indignação diante do pedido de despejo das famílias do acampamento Padre José Ten Cate do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST).   São aproximadamente 400 famílias, que vivem há mais de dois anos em uma área da prefeitura do município de Jaciara (144 km de Cuiabá), estão ameaçadas por centenas de policiais, que aguardam para  fazer o despejo solicitado pela prefeitura municipal de Jaciara.
 
O Movimento Sem Terra de Mato Grosso (MST/MT) haviam ocupado no dia 13 de julho de 2015 a Fazenda Nossa Senhora Aparecida, no município de Jaciara. Após ordem judicial de reintegração de posse,  as famílias passaram a ocupar a área da prefeitura de Jaciara. 
 
As famílias vivem e produzem em uma área de 10 hectares (de 250).  Na pequena área, são produzidos cerca de 8 toneladas alimentos, que além de usar para garantir a sobrevivência das famílias, a produção aponta para um novo modelo de economia nos municípios do Vale do São Lourenço.  O despejo das famílias da área de 10 hectares e de suas lavouras visa favorecer a instalação da empresa Millenium Bioenergia no local. 
 
A CUT/MT  tem a certeza que o despejo das famílias é um ato de injustiça onde os ganhadores são os setores mais atrasados da sociedade, o agronegócio. A postura do atual prefeito é irresponsável e injustificável, pois, a prefeitura não tem necessidade fazer do uso imediato da área onde está o acampamento. 
 
A CUT MT cobra das autoridades e do prefeito municipal de Jaciara, Abduljabar Galvin Mohammad (PSDB), a suspensão da reintegração de posse.  
 
A Central também exige que o INCRA faça o assentamento de todas as famílias na região Sul do estado e reitera mais uma vez solidariedade às famílias acampadas.
 
Para a CUT MT, a ocupação é fruto da concentração fundiária e da riqueza do Estado, bem como do desemprego que avança sobre os trabalhadores. A luta pela terra sempre fez parte da história do povo brasileiro desde a ocupação do Brasil pelos portugueses. E, Mato Grosso é um dos estados com maior índice de concentração fundiária, consequentemente com graves  problemas sociais e ambientais. Por isso,  a CUT MT apoia a organização dos trabalhadores Sem Terra e a luta pela Reforma Agrária. 
 
Direção da CUT/MT
  • Imprimir
  • w"E-mail"
  • Compartilhe esta noticia
  • FaceBook
  • Twitter

Conteúdo Relacionado

TV CUT
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.

João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta(...)

RÁDIO CUT

CENTRAL ÚNICA DOS TRABALHADORES DO MATO GROSSO
Rua São Benedito, 874 | Bairro Areão | CEP 78010-258 | Cuiabá | MT
Fone: (55 65) 3624.9915 | www.cutmt.org.br | e-mail: cutmt@terra.com.br